O Gigante Enterrado - Kazuo Ishiguro



Título: O Gigante Enterrado
Autor: Kazuo Ishiguro
Nota: 5 estrelas
Categoria: Fantasia
Editora: Companhia das letras
Ano de edição: 2015








Sinopse:

Uma terra marcada por guerras recentes e amaldiçoada por uma misteriosa névoa do esquecimento. Uma população desnorteada diante de ameaças múltiplas. Um casal que parte numa jornada em busca do filho e no caminho terá seu amor posto à prova - será nosso sentimento forte o bastante quando já não há reminiscências da história que nos une?

Épico arturiano, o primeiro romance de Kazuo Ishiguro em uma década envereda pela fantasia e se aproxima do universo de George R. R. Martin e Tolkien, comprovando a capacidade do autor de se reinventar a cada obra. Entre a aventura fantástica e o lirismo, O gigante enterrado fala de alguns dos temas mais caros à humanidade: o amor, a guerra e a memória.

Comentários:

Bem, muitas coisas me levaram a ler esse livro, entre elas está o fato do livro ser todo azul (e ter uma capa lindaaaa! Desculpe-me como boa estudante de design me deixo levar por essas coisas kk) e por ser escrito por um japonês (pra quem não sabe eu sou descendente de japonês).

Além disso, existem outras coisas interessante envolvendo esse livro. Uma delas é que essa é a obra mais arriscada, ambiciosa e estranha que o autor já publicou nos seus 33 anos de carreira. 

A outra coisa é que há cerca de uma década, ele havia escrito as 50 primeiras páginas desse novo romance, que seria ambientado em uma Inglaterra Fantástica com ogros, fadas, dragões e cavaleiros, até que um dia ele resolveu pedir pra esposa ler as páginas iniciais. A reposta dela foi: "Isso não vai dar certo", "Não quero dizer que você precise ajustá-lo, você precisa recomeçar do zero". Wow! Sinceridade é tudo na vida, né? kk O resultado é que ele só voltou a trabalhar no livro em 2011, quando começou do zero e não mostrou a ninguém até concluí-lo.



A sinopse também me cativou bastante, afinal não é todo dia que vemos um casal de velhinhos saindo em uma aventura (isso me fez recordar do filme UP! Altas aventuras). No entanto, eu estava lendo esse livro sem muitas expectativas, mas quanto mais eu lia, mais eu queria saber o que iria acontecer, e esse foi um ponto que me chamou a atenção. É complicado explicar, mas a leitura dele é fácil, leve e traz consigo uma certa tranquilidade, mas é essa atmosfera que cria um clima de reflexão.

No meio da caminhada até eles encontrarem o filho, muitas coisas começam a acontecer entre os passos pequenos e cuidadosos dos dois velhinhos. Além disso é muito bonito testemunhar o amor desse casal mesmo depois de tanto tempo, como eles lidam com as brigas, como eles são cuidadosos e observadores uns com os outros.

Não podemos deixar de mencionar a "névoa" que faz as pessoas esquecerem do passado. Esse é um ponto bem instigante da história, afinal, assim como os dois velhinhos, nós não sabemos o que eles esqueceram e aos poucos vamos sabendo das memórias que eles possuem e guardando-as no nosso repertório para tentarmos juntar as peças mais pra frente. Várias coisas acontecem no decorrer do livro que só nos deixam com mais dúvidas.



Assim como foi dito na sinopse, esse livro fala sobre memórias, amor e guerra. Nele, nós podemos perceber como a memória é algo importante, que contribui para formar nosso caráter, e como nós somos apegados a ela, principalmente quando vamos ficando mais velhos, porque são essas memórias que vão nos dizer quem somos e o que construímos durante a nossa vida. 

É engraçado reparar em como esse livro gera reflexões e em como cada pessoa ao descrevê-lo releva diferentes pontos dele. Alguns o comparam a um jogo de RPG, outros enfatizam a memória e a velhice, outros falam sobre as aventuras. 

Não poderia deixar de falar também sobre o título, que se encaixa perfeitamente com a temática do livro. Mas o significado por trás dele, eu vou deixar a cargo de vocês descobrirem. hehehe

Leitura mais do que recomendada!
Boa leitura! ^^

Até mais!

Nenhum comentário:

Postar um comentário